27 novembro 2014

O time do ano. O Galo da história


Completa. Dos adjetivos que achei, este foi o mais próximo de resumir uma conquista heroica e soberana ao mesmo tempo.

Não faltou nada, absolutamente nada.

Tentei buscar na memória e confesso que não lembro de ter visto tanta vontade de vencer em um grupo. Ninguém corre mais que eles. Se correrem o dobro, eles fazem o triplo. 

Sem reclamar de cansaço, do calendário ou do fim de temporada. Uma energia que é recarregada a cada olhar nos olhos do companheiro, que sem abrir a boca já diz que acredita. Uma conexão time-torcida que nem conseguimos distinguir quem é quem.

O atleticano não vê mais um time que o representa. Ele se vê em campo.

Pois finalmente entenderam a fé desse povo, que sempre buscou transmiti-la dali de cima. Enfim, eles conseguiram.

Se da arquibancada eles creem, no gramado eles têm certeza.

É essa ambição pela vitória que prova que 2013 não foi acaso. Não tem mais Ronaldinho, Bernard, Jô e Cuca, mas e daí? O que mais é necessário se o espírito do desbloqueio do impossível fica?

Nesse mais novo dia histórico, o atleticano que pagou mil pratas para presenciar mais uma festa em seu salão preferido teve seu dinheiro bem gasto. Já o que gastou esta fortuna para ver um jogo, uma final, deve ir ao Procon pedir o ressarcimento. 

Porque vimos um massacre desde o início, um jogo de um time só, já definido no intervalo. Assim, não vimos o Atlético Mineiro que nos acostumamos.

Mas convenhamos, era impossível, Cruzeiro. E se houve algum pé atrás quanto ao fato da final já estar ou não decidida antes do segundo jogo, a culpa é justamente do Galo, que tornou o milagre normal.

Não adianta, só funciona com ele.

O Atlético Mineiro chega ao auge de seus dias. O tamanho disso, agora, será apenas celebrado. A real dimensão virá daqui a uns 10, 15 anos, quando de fato começarem as memórias nostálgicas.

E garanto: não foram só os atleticanos que tiveram prazer em ver este time jogar.

Um time que conseguiu contagiar o país em uma competição nacional, onde não há a justificativa de que a torcida é apenas pelo futebol brasileiro.

Um grupo que não satisfeito em dividir o brilho desta temporada com seu rival, fez questão de acabar com o 2014 do inimigo e lhe tomar o posto de time do ano.

É o time do ano. É o Galo da história.

A Copa do Brasil é dele. 

O maior Atlético x Cruzeiro de todos os tempos, também. 

Daqui a uns anos, é isto o que de fato irá importar.

Quando o atleticano usar este argumento, será bastante complicado abafar.

O Atlético Mineiro viciou em conquistar tudo que vê pela frente.

E se ninguém interná-lo numa clínica de reabilitação, temos o favorito ao Brasileirão 2015.

@_LeoLealC

2 comentários:

  1. Parabéns pelo texto sensacional! Você é o jornalista não atleticano que melhor expressa o sentimento da nação! Sensacional! Parabéns!

    ResponderExcluir